WhatsApp

Ecoturismo, fauna e flora do litoral norte e sul da Paraíba

Publicado 27/03/2018 11:55:38
Categorias Ecoturismo , Paraíba

Ecoturismo, fauna e flora do litoral norte e sul da Paraíba
 

O contraste entre o litoral norte e o litoral sul de João Pessoa é flagrante:

- o clima, muito mais seco e quente no litoral sul, visível pela vegetação baixinha, contrastando com a mata atlântica do litoral norte; 

- o plateau continental indo mais longe dentro do mar do lado norte (de águas mornas e sem onda na maré baixa);

- o visual muito mais colorido e diversificado do lado sul, contrastando com a natureza mais selvagem e "bruta", 100% intocada, do litoral norte...

 

O litoral norte de João Pessoa

 

Concha grande de crustaceo

 

O litoral norte da Paraíba, menos turístico e habitado, contem as maiores zonas de proteção ambiental (a APA do Rio Mamanguape) e de interesse ecológico (a ARIE do rio Camaratuba) da Paraíba.

Sendo maior e mais selvagem, com mais restrições de visitação e pouquíssimo infraestrutura, a visitação turística também é meio complicada...

 

A APA (Área de Proteção ambiental) do Rio Mamanguape

 

Estrela do Mar

 

- engloba os municípios de Rio Tinto, Marcação, Lucena e Baía da Traição;

- é delimitada pelos estuários dos rios Mamanguape e Miriri, a APA tem 14. 640 hectares, composta por diversos ecossistemas;

- são manguezais, lagunas, lagoas, praias com cordões de dunas, falésias, mata de restinga e de tabuleiro e uma peculiar barreira de coral em frente à foz do rio Mamanguape;

corais e recifes

 

- os recifes de coral de arenito, são colonizados por corais vivos, próximos à barra do rio;

- são quatorze quilômetros de areias brancas, finas e, para lá de desertas, a exemplo das praias de Campina, Oiteiro, Miriri e Coqueirinho do Norte;

- a origem do nome vem da palavra tupi “mamã-gua-pe” e quer dizer região onde se reúne para beber. E o que não falta por aqui é água;

Tubarão pequeno

 

- foram catalogadas 80 espécies de aves, 27 de mamíferos, 35 de répteis, 23 de anfíbios, 112 de peixes estuarinos e 29 de peixes marinhos recifais;

- dentre eles, estão espécies ameaçadas de extinção como o peixe-boi-marinho, o cavalo-marinho, o peixe mero, o caranguejo-uçá e as tartarugas verde e de pente;

Peixe gordo

 

- o bioma que a representa é a Mata Atlântica, junto com vários outros ecossistemas;

- ecossistemas de manguezais: mangue vermelho, mangue preto ou siriubeira, mangue de botão e mangue branco;

- vegetação de dunas, formada por plantas herbáceas ou ervas; a vegetação de restinga, com espécies de cactos; e a vegetação de tabuleiro, com gramíneas e arbustos esparsos.

Fonte: APA do rio Mamanguape

 

O ex-Projeto Peixe Boi Marinho

(o projeto de tratamento em cativeiro foi desativado)

 

 

- na Barra do Rio Mamanguape, no entanto, o mamífero, que corre risco de extinção, é observado com relativa facilidade;

- a região é a principal área de concentração da espécie marinha, no nordeste brasileiro;

- no nordeste, eles chegam a 800 quilos de peso e 4 metros de tamanho;

- em 2013, foram contados cerca de mil peixes-boi vivendo em regiões de estuários na costa nordestina;

- precisa comer diariamente, entre 8% a 13% do seu peso corporal;

- passa de seis a oito horas por dia alimentando-se de algas, capim marinho e folhas;

- vive tanto em águas salgadas quanto em águas doces.

Motivos do declino do Peixe Boi: a fêmea gera um filhote a cada três anos, morte em redes de pesca, ingestão de sacos plásticos, atropelamentos por barcos, redução de seu habitat para a reprodução, e encalhes dos filhotes.

No litoral da Região Norte do Brasil, a captura intencional com arpões ainda é a principal causa de morte.

Fonte: APA do rio Mamanguape

 

A ARIE (Área de Relevante Interesse Ecológico) do rio Camaratuba 

(Parque Ecológico do Caranguejo-Uçá: são 160 hectares localizados no distrito de Barra de Camaratuba, Município de Mataraca)

Caranguejos Guaiamum

 

- manguezais e um de seus ilustres moradores, o caranguejo-uçá, cuja espécie está ameaçada de extinção;

Peixe Raia

 

- os manguezais têm função nobre na cadeia alimentar e reprodutiva de muitas espécies, principalmente, aos peixes, moluscos, aves e crustáceos;

Água Viva

 

- os crustáceos são representados pelos caranguejos aratu, com sua carapaça vermelha, o guaiamum, de coloração azulada, e o uçá, que teve a coleta proibida (ele se reproduza só após 3,5 anos de idade); 

Água Viva

 

- os manguezais conseguem armazenar quatro vezes mais a quantidade de carbono do que qualquer floresta do mundo;

- um quinto de todos os manguezais do mundo foram perdidos, desde 1980, e continuam a diminuir, com taxas quatro vezes maiores do que as florestas globais.

Fonte: ARIE do rio Camaratuba

 

O litoral sul de João Pessoa

No Litoral Sul da Paraíba, a principal reserva natural é a APA Tambaba.

Também tem a Barra de Gramame, assim como a Barra do Abiai, esses duas áreas sendo de superfície menor, e constituídas por manguezais formados pelo encontro dos rios Gramame e Abiai com o mar.

Caranguejo Guaiamum

 

Menor, mais com melhor infraestrutura turística e paisagens bem diversificados e muito coloridos, com muitas enseadas e praias paradisíacas, o litoral sul concentra a maior parte da atividade turística do litoral da Paraíba.

 

A APA Tambaba:

- apesar do seu nome, a APA se estende NUM conjunto de praias e biotipos bem diversificados, totalizando uma a superfície de aproximativamente 3.270 ha;

- abrange Lagoa Preta, praia de Tabatinga, Fazenda Bucatu, praia de Coqueirinho, praia de Arapuca, praia de Tambaba e praia do Graú na divisa entre os municípios de Conde e Pitimbu;

- está delimitada pelos divisores naturais do riacho Caboclo e dos rios Bucatu, Graú e Mucatu que drenam a região, ocupando uma área de 114,46 Km²;

- em Tambaba, parte dessa zona e reservada a prática do naturismo (primeira zona naturista do Brasil);

Saguis

 

- tem falésias arenosas muito coloridas (sofrendo um processo de erosão pela chuva e pelo mar), entre Tabatinga e a Barra do Graú, as maiores e mais coloridas ficando na praia de Arapuca, entre Coqueirinho e Tambaba;

- acima dessas falésias temos tabuleiros com vegetação rasteira (parecida com o serrado), sendo cortada pela rodovia estadual PB-008;

- cada praia tem um visual bem diferente uma da outra: falésias, rochas, areia branca com mar azul, mangues de água marrom, coqueiros, anseadas, etc.

As principais atividades relacionadas ao turismo ecológico são: as caminhadas (com a Anda Brasil e a Arca de Bilu), o ciclismo, o caiaque nos rios, as cavalgadas, e os passeios de Jipe 4x4 (saindo de João pessoa, com a gente...).

Tarataruga Pente

 

Outra atividade muita praticada é o Surf na praia de Arapuca; Tambaba é também mundialmente conhecida pelo campeonato internacional de surf nu que acontece no mês de setembro. 

Pequenas comunidades rurais habitam a área, tendo como atividade principal a agricultura familiar e a produção associada ao turismo - como a comercialização de frutas e doces caseiros, como no assentamento de Tambaba.

A cobertura vegetal está estabelecida sobre a unidade geomorfológica dos Tabuleiros Costeiros, sendo constituída por formações florestais, denominadas Matas de Tabuleiro e manchas de Cerrado

...que ocorrem em locais onde o solo é mais arenoso e a vegetação é arbustiva-arbórea chamadas de tabuleiros. 

A região contém Floresta Atlântica, como a mata de tabuleiro, a mata de restinga e os manguezais, e apresenta formações geomorfológicas singulares como falésias, nichos de cabeceiras, vales e cânions.

Cameleão

 

As atividades de lazer, turismo e agrícola caracterizam o uso atual da área.

As praias de Tambaba, Coqueirinho e Tabatinga vêm, nos últimos anos, sendo ocupadas com edificações de casas de veraneio, bares e pousadas.

A pavimentação da via PB–008, trecho Jacumã–Tambaba, tem acelerado o processo de ocupação e atraído significantes empreendimentos turísticos para a região.

Levantamento comprova ameaças à flora da APA Tambaba: o estudo revelou que a área de preservação ambiental localizada no Litoral Sul paraibano, um dos poucos resquícios de Mata Atlântica no estado, é rica em espécies lenhosas.

Também foi constatado que, devido à ocupação desordenada do faixa litorânea da Paraíba, a situação daquela reserva é crítica, ameaçando, inclusive, as nascentes de alguns rios.

A fragmentação florestal da Área de Proteção Ambiental de Tambaba diminua a efetividade da proteção ambiental na unidade de conservação.

Coruja de areia

 

A APA Tambaba foi decretada como Unidade de Conservação em 26 de março de 2002, pelo Decreto Estadual nº 22.882, após o pavimento da PB-008 em resposta a pressão imobiliária. 

A APA de Tambaba tem por finalidade “garantir a integridade dos ecossistemas terrestres e aquáticos, proteger os cursos d`água que integram a região, melhorar a qualidade de vida da população e disciplinar a ocupação da área

...para que esta não avance de forma desordenada e em ritmo acelerado, contribuindo assim para a redução da degradação do ambiente local e sua restauração futura”.

Infelizmente essa pressão continua crescendo, e com dinheiro e apoio político se "abrem exceções", como no caso do hotel da Rede Nord em Tabatinga, ou do resort em construção na Barra do Abiai:

...isso, definitivamente, não é turismo sustentável!

Tarataruga Pente

 

Hotéis e restaurantes são fonte de poluição, contratando picapes particulares que vão jogar o lixo na natureza.

O próprio município de Conde esta loteando toda a entrada de Coqueirinho, destruindo a mata em grande escala, sem falar das construções irregulares, e outras tentativas de privatização de zonas naturais sob pretexto de preservação ambiental...

Isso, junto com a falta total de regras urbanísticas, eta acabando com a natureza e a beleza do lugar. Se observem também queimadas criminosas para poder construir depois no terreno, alegando que não tem nada no lugar.

Mais informações sobre Tambaba

 
Turismo e Passeios por Vicente Paul
Por Vicente Paul

Gostou da postagem?

 

O que você acha para suas ferias? Comenta e compartilha!

Seu comentário:

 (com http://)

1 comentários

Vicente Paul


20/04/2018 16:30:44

Você já se perguntou porque na praia de Boa Vista (PE) tem ataques frequentes de tubarão, e aqui na Paraíba nunca? ...e que aqui, a vida marinha é bem preservada; de bariga cheia, eles não vêm comer na praia. Por causa disso falamos que nossos tubarões são vegetarianos!